Arquivo do dia: 30/06/2007

Michael Moore avalia o sistema de saúde dos Estados Unidos

sicko1_large.jpg 

Poster do filme: Michael Moore avisa que poderá doer um pouco.

 Sicko (“doente”, crítica ao sistema de saúde estadounidense)  o novo filme do diretor de Fahrenheit 9/11, Michael Moore disseca o sistema de saúde dos Estados Unidos. Aqui, a maioria dos leitores desse blog já sabe, você vai ao hospital com a mão no bolso, pois cada procedimento médico tem um preço, pago pelo paciente-cliente. As emergências atendem todos, mas o número de pessoas cobertas pelo SUS norte-americano, o Free Care, é bem limitado. A conta da emergência chega pelo correio e sempre chega na faixa dos mil dólares.

A realidade que Michael Moore proclama é bem clara: os sistemas de saúde de Cuba, do Reino Unido e do Canadá são melhores do que o modelo norte-americano. Aqui o sistema não é universal, quem tem dinheiro vai ao médico. quem não tem vai para a emergência.

Em saúde pública o Brasil também passa na frente dos norte-americanos. Aqui se tem muita aparelhagem moderna, mas inúmeros amigos meus já viajaram ao Brasil em busca de um diagnóstico certo após visitas sem sucesso a diferentes médicos nos Estados Unidos.

Sicko, que estreou ontem (29) e que assisti,  só veio a confirmar o que já se sabe depois da primeira visita a qualquer hospital nos Estados Unidos. Vale a pena assistir!

Imigração é tema político mais discutido desde 2006

As passeatas de 2006. O Senado aprova lei a favor em 2006. A Câmara não trata do assunto. Os Democratas vencem nas eleições de 2006 e reacendem a esperança para 2007.

Assim a maioria dos imigrantes indocumentados vive seus dias. De trabalho em trabalho. Dois empregos, três empregos ou um emprego de 12 horas diárias. Viram 2006 com muita esperança de que alguma lei iria sair do papel. Elas saíram, mas foram lei anti-imigrantes, aprovadas por câmaras municipais para proibir o aluguel de casas e apartamentos para imigrantes indocumentados.

Em sua política de imigração os Estados Unidos regrediram nos últimos anos. O Senado teve a chance de evoluir, de dar passos para frente. Com a derrota do projeto de lei de imigração na quinta-feira passada (28), o Senado perdeu uma chance histórica de mostrar que estão cientes da realidade norte-americana: se esse povo ir embora, o impacto econômico será sentido em todos os setores da sociedade.

A imigração será o tema político da campanha presidencial de 2008, e a esperança renascerá, mas quem terá coragem de aprovar uma reforma que abrigue os 12 milhões?

“Era um biquíni de bolinha amarelinha…”

O vídeo acima lembra a versão brasileira da música cantada pela banda Blitz nos anos 80, e agora é usada num comercial que está balançando o verão nos Estados Unidos. O blog aproveita o final de semana para se declarar contra os maiôs (swimsuits) e a favor do biquíni. A Yoplait, que agora focaliza no corpo perfeito, com dicas para emagrecer no site www.yoplaitbikini.com, agradece!