Arquivo do mês: setembro 2007

Do Sul Notícias

O inferno astral do Tigre está mesmo longe de chegar ao fim. Leia mais.

tigre-e-remo.jpg

Foto: Deza Bergmann/Sul Notícias.

Jogo do Brasil na Univision e no ESPN – Futebol feminino perde na China

O jogo do Brasil contra a Alemanha, transmitido direto da China pela Univision e pela ESPN, está empatado no final do primeiro tempo.

A transmissão da Univision em espanho está atrasada em relação a transmissão da ESPN.

Sorte ao Brasil! 

Atualização: Brigit Prinz fez o primeiro gol da Alemanha aos 6 minutos do segundo tempo. Alemanha 1 Brasil 0. 😦

Atualização às 9:48 – Simone Laudehr fez o segundo gol da Alemanha. Alemanha 2 Brasil 0. :((.

A diferença entre Nova York e Paris

A Big Apple é uma das minhas cidades favoritas. Não pelo barulho, nem somente pelos pontos turísticos. Mas pelo ar comospolita, pela multidão nas ruas e pelo ar de novidade na Times Square (é bom lembrar que o lugar foi palco de muitos bares de strip-tease até 2004). Os telões nos prédios, as pessoas de todos os lugares nas ruas e os táxis amarelos cortando o transito, esses sim me impressionam. E tudo acontece em Nova York.

Porém o ar parisiense de barzinhos nas calçadas, ao ar livre, Nova York não tem: aqui tempo é dinheiro, e com tanto carro nas ruas você é o candidato certo para ser borrifado com o ar da descarga dos carros e incomodado com o barulho de caminhões em marcha a ré.

Estamos vivendo o que se chama de Indian summer, o verão já foi, as temperaturas abaixaram um pouco, mas o termômetro está novamente em 25 graus C com umidade do ar sufocante. O que era para estar fechado devido ao clima frio, ainda está aberto (exceto a minha piscina, ela fechou no início de setembro).

Em Roma, Barcelona e Paris os cafés ao ar livre tem um propóstio de existência, tem ar fresco e tem uma vista bonita.

Na cidade do if you can make it here you can make it anywhere (se você pode fazer acontecer aqui, você faz em qualquer lugar) , há 900 cafés nas calçadas. Houve um aumento de 25% referente ao ano passado. E isso mostra que a cidade está preferindo mostrar sua cara nas ruas. 

Diferente dos cafés abertos na Europa, os daqui separam o grande público do restaurante por uma grade e as mesas são muito próximas umas das outras.

Na cidade em que as batatinhas fritas, French fries em inglês, viraram Freedom fries após o 11 de setembro devido a um certo antogonismo com os irmãos franceses, vale a pena a liberdade (freedom) de imitar os europeus.

EUA: Teste de cidadania é reformulado

Há dois anos preparei um amigo para o teste de cidadania. Ele tinha a lista de perguntas mais comuns, algo como, quais foram as 13 colônias que originaram os Estados Unidos, qual a data de Independência, e Independência de quem. Estudou por semanas depois do trabalho.

Foi à entrevista, e foi aprovado. Jurou a bandeira e hoje é cidadão dos Estados Unidos (e conserva a cidadania brasileira). Entra nos Estados Unidos com o “American passport”, que tem cor azul e poucas folhas e entra no Brasil com o passaporte brasileiro (ele ainda deve usar a versão verde).

A nova versão do teste de cidadania, que foi apresentada ontem,  entra em vigor em outubro de 2008, com perguntas que incluem o 11 de setembro, a contribuição dos “African-Americans” na história dos Estados Unidos, a filiação partidária do Presidente. O teste deixa de ser a decoreba que foi no passado e visa verificar o quanto o candidato conhece da estrutura democrática e como ela funciona.

Nas novas questões a Casa Branca ficou de fora, mas a Estátua da Liberdade precisa ser localizada.

A pessoa que tenha o green card por cinco anos pode se tornar cidadão, no caso de pessoas que adquiriram o green card por casamento com um cidadão dos Estados Unidos, já no terceiro ano ele se qualifica como candidato à cidadania.

Leia mais:

Dez questões do teste reformulado (teste a você mesmo)

100 questões do teste reformulado

Comparação do teste atual com o reformulado

Lula em Nova York: Presidente concede entrevista a Charlie Rose

Em Nova York para abertura oficial da sessão das Nações Unidas, o Presidente Lula aproveitou para conceder uma entrevista no programa de Charlie Rose, o apresentador mais influente da televisão pública dos EUA, a PBS.

Charlie Rose, que entrevista celebridades como Robert DeNiro e empreendedores como Bill Gates, disponibiliza a entrevista em seu site: www.charlierose.com.

Jon Stewart no Oscar novamente

O comediante do Commedy Central, Jon Stewart, definitivamente soube tocar o pessoal da Academia de Cinema, responsáveis pela realização do Oscar de número 80.

Stewart se diz honrado com a escolha, e consagra seu nome junto com Billy Crystal, Chris Rock e Ellen DeGeneres no pódio do teatro da Kodak em Hollywood.

Crystal foi o que teve o maior recorde de audiência de todas as edições do Oscar: 55 milhões de telespectadores. A marca é atribuída pelo sucesso do filme Titanic. Nos últimos anos, o Academy Awards, como o Oscar é conhecido nos Estados Unidos, capta uma audiência de cerca de 39 milhões de telespectadores.

Do Watergate até o “Bushgate”

41866.jpgCerta vez escrevi para o Washington Post, o jornal que abriga dois dos mais importantes jornalistas dos States do ponto de vista histórico. Eu tinha o livro All The President’s Men (Todos os Homens do Presidente) da dupla Carl Bernstein/Bob Woodward na mão e gostaria muito do autógrafo do Bob em um deles.

Em três dias chegou um email com instruções de envio do livro. Enviei o livro para Washington e rapidamente o recebi com o autógrafo de Woodward.

Os jovens repórteres do Washington Post fizeram um brilhante trabalho de investigação, que colocou Nixon na linha e pronto a bater forte no diário estadunidense. Na apuração dos fatos dos dois jornalistas foi essencial o apoio de Katharine Graham, a dona do jornal, que escreveu um livro de memórias de excelente qualidade chamado Katharine Graham – Uma História Pessoal.

presidents1.jpgCom Robert Redford e Dustin Hoffman, o livro All The President’s Men passou para as telonas e conquistou o grande público.

Ainda colhendo a popularidade alcançada com todos os livros e filme do caso Watergate, Carl Bernstein concedeu entrevista extremamente interessante à Revista Época.

Leia aqui.