Arquivo do dia: 29/09/2007

A diferença entre Nova York e Paris

A Big Apple é uma das minhas cidades favoritas. Não pelo barulho, nem somente pelos pontos turísticos. Mas pelo ar comospolita, pela multidão nas ruas e pelo ar de novidade na Times Square (é bom lembrar que o lugar foi palco de muitos bares de strip-tease até 2004). Os telões nos prédios, as pessoas de todos os lugares nas ruas e os táxis amarelos cortando o transito, esses sim me impressionam. E tudo acontece em Nova York.

Porém o ar parisiense de barzinhos nas calçadas, ao ar livre, Nova York não tem: aqui tempo é dinheiro, e com tanto carro nas ruas você é o candidato certo para ser borrifado com o ar da descarga dos carros e incomodado com o barulho de caminhões em marcha a ré.

Estamos vivendo o que se chama de Indian summer, o verão já foi, as temperaturas abaixaram um pouco, mas o termômetro está novamente em 25 graus C com umidade do ar sufocante. O que era para estar fechado devido ao clima frio, ainda está aberto (exceto a minha piscina, ela fechou no início de setembro).

Em Roma, Barcelona e Paris os cafés ao ar livre tem um propóstio de existência, tem ar fresco e tem uma vista bonita.

Na cidade do if you can make it here you can make it anywhere (se você pode fazer acontecer aqui, você faz em qualquer lugar) , há 900 cafés nas calçadas. Houve um aumento de 25% referente ao ano passado. E isso mostra que a cidade está preferindo mostrar sua cara nas ruas. 

Diferente dos cafés abertos na Europa, os daqui separam o grande público do restaurante por uma grade e as mesas são muito próximas umas das outras.

Na cidade em que as batatinhas fritas, French fries em inglês, viraram Freedom fries após o 11 de setembro devido a um certo antogonismo com os irmãos franceses, vale a pena a liberdade (freedom) de imitar os europeus.