Arquivo do mês: setembro 2008

O futuro do jornal impresso

Conheça o futuro do jornal impresso aqui.

McCain passa Obama

São 4 pontos que separam o republicano John McCain de Barack Obama. A tendência é natural, logo depois da Convenção do Partido Republicano o candidato deve crescer. Aconteceu com Obama, aconteceu com McCain.

Os números são os seguintes: 49 contra 45.

(E em São Paulo, vejam o crescimento de Kassab.)

Voz do cinema morreu esta semana

Don LaFontaine, o homem que imortalizou mais de 5 mil trailers de filmes, partiu esta semana.

Leia aqui.

Sarah Palin e seu desempenho ontem

O discurso foi forte, principalmente para uma iniciante na política nacional. Palin se projetou muito bem, se não for agora, certamente num futuro próximo ela ganhará um papel ainda mais importante dentro do Partido Republicano.

Palin entrou como uma incógnita, mas passa a ser, principalmente após seu discurso de ataque a Obama (“Inexperiente”, segundo ela), a voz da direita radical dos Estados Unidos. E, por ser mulher, ocupa um espaço privilegiado: ela é agora a Hillary Clinton dos Republicanos.

Seu erro mais drástico está ao chamar os líderes comunitários (Obama foi um em Chicago, antes de se tornar senador) de pessoas sem responsabilidade. Para ela, os verdadeiros heróis são os prefeitos.

Pedro Doria traz uma análise muito boa aqui. Confira!

Vice de McCain oferece riscos, mas partido está coeso

Sarah Palin é a vice na chapa de McCain mais badalada da história do Partido Republicano. A conservadora Palin era desconhecida até a sexta-feira passada do público nos Estados Unidos. Hoje ela vive dias de extrema expectativa e de questionamentos: o que levou McCain a escolher uma vice com menos experiência do que Barack Obama? Quais são suas credenciais para assumir um dos postos mais importantes do país?

Mesmo sem as respostas a essas perguntas, o certo é que o Partido Republicano deve mantê-la na chapa. De desconhecida à primeira mulher em uma chapa presidencial Republicana, ela passou a ter sua vida examinada 24 horas. E virou uma espécie de vítima da mídia.

Barack sabe disso. E já avisou que não tocará em questões familiares (“a família está fora disso”). Quanto mais Sarah Palin for investigada (não, ela não foi filiada ao Partido de Independência do Alasca, dizem os oficiais do partido agora), mais forte ela poderá se tornar.

Se ao levantar o assunto da gravidez da filha de 17 anos, algum líder Democrata pensa que estará lucrando, engana-se. Palin, como mulher, pode ter a chance que a ex-primeira-dama Hillary Clinton não teve. Por uma simples razão, ninguém tem dó dos Clintons, que acumularam poder, influência e dinheiro em seus dois mandatos e Hillary ainda é Senadora por Nova York, afinal de contas.

Quanto a Palin, seu charme e sua falta de desgaste perante o eleitor pode colocá-la como uma parceira ideal para o Senador John McCain. No fundo o que o Senador pelo Arizona quer dizer e que, enquanto Obama falou em mudança, não teve a ousadia de escolher Hillary como vice.

O importante nos dois casos é que os Democratas saíram coesos com o apoio dos Clintons a Obama na semana passada, e agora os Republicanos saem da Convenção coesos para apoiar Sarah Palin, custe o que custar.

(A candidata a vice na chapa de McCain fala na noite de hoje. A atenção está voltada a Saint Paul, sede da Convenção Republicana.)

Vice de McCain apresenta problemas

A decisão de nomear Palin como sua vice parece ter sido repentina pelo Senador John McCain. Palin era filiada ao Partido de Independência do Alasca, que tem a posição de separar o estado dos Estados Unidos.

O objetivo do Partido era infiltrar pessoas nos dois principais partidos políticos para, a partir daí, revelar sua verdadeira face.

A Convenção do Partido Republicano começa com mais problemas do que o esperado: o Gustav tirou o brilho da noite de abertura e agora os Republicanos não sabem o que fazer com sua vice.

Obama assume liderança

Tradicionalmente após a Convenção o candidato recebe mais alguns pontos percentuais na corrida presidencial. Obama está agora com 49% contra 41% de McCain.

O candidato ganhou os pontos por conta do belo discurso de quinta-feira (27). O discurso apresentou o esboço do plano de governo de Obama com sua inspiração habitual. Obama é considerado um grande orador, que falou diante de 75 mil pessoas em Denver.

A pesquisa foi feita pelo renomado Instituto Gallup (clique no gráfico abaixo para ver o histórico).