Arquivo do mês: julho 2009

Governo Obama continua a intensificar programa Bush de deportação

Enquanto milhões aguardam pela aprovação de uma lei de imigração, há 150 imigrantes esperando deportação devido à prisão por violação de leis de trânsito, alguns por dirigir sem carteira. Deu no New York Times.

Popularidade de Obama está mais baixa que a de Bush

A popularidade do presidente Barack Obama está abaixo da de seu antecessor, George W. Bush, na mesma época de seu mandato, de acordo com uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo jornal USA Today.

Seis meses após a posse de Obama, 55% ainda aprovam sua ação, segundo esta pesquisa do instituto Gallup. Na mesma época de seu mandato, em 2001, Bush reunia 56% de opiniões favoráveis. Leia mais no Parkear.com.

Frio no Sul do Brasil

As temperaturas baixíssimas do inverno brasileiro foram notícias no Jornal Nacional. A repórter Kíria Meurer mostra as paisagens de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O site Engeplus, sob a coordenação do amigo jornalista Nei Manique, registrou o fato aqui.

O custo de ser sexy

Leia sobre o que se pode ver no buraco da fechadura.

Obama: reforma do sistema de saúde já

Como já foi dito, o Presidente Barack Obama pode estar se aproximando do seu Waterloo, local famoso em que Napoleão finalmente perdeu a força militar que detinha. Obama assumiu com muita credibilidade em Washington em janeiro, ele continua com bons índices de aprovação (ainda que houve uma queda normal de janeiro para cá) e vai usar agora o prestígio que tem para passar a reforma de saúde.

O calendário do Presidente prevê que a reforma de saúde passe até agosto nas duas Casas. Obama deve encontrar muita resistência até lá. O tempo consumido na reforma do sistema de saúde pode acabar com a perspectiva de se votar imigração ainda este ano.

O apoio da opinião pública será essencial para o triunfo, por isso o pronunciamento do Presidente hoje às 20h se fez necessário hoje.

Morre Walter Cronkite, mestre do telejornalismo nos EUA

Walter Cronkite, o âncora que dominou a TV norte-americana por duas décadas (1962-1981), faleceu ontem aos 92 anos em Nova York por complicações no cérebro. Famoso por entrevistas com o Presidente John Kennedy, e os anúncios nacionais dos assassinatos de Kennedy e de Martin Luther King Jr, Cronkite também reportou o pouso da Apolo 11 na Lua em julho de 1969 pela CBS.

Cronkite foi o pioneiro dos âncoras da TV norte-americana. Sua credibilidade foi o que o marcou e manteve entrando no ar durante as duas décadas. O modo como assinava as notícias com “that´s the way it is” (“é assim que as coisas são”) viraram sua marca pessoal e ela é lembrada até hoje nos Estados Unidos.

A morte de Cronkite deixa o jornalismo de luto no final de semana, em uma época em que a credibilidade de âncoras pode ser questionada em minutos pelo advento da Internet. Walter Cronkite foi um dos poucos âncoras que deixaram o trabalho com credibilidade em caixa, para o telejornalismo ele foi considerado “o George Washington do dólar”.

Hillary Clinton tenta manter o Departamento de Estado forte

Ex-primeira-dama, ex-senadora de Nova York e ex-candidata à Presidência, Hillary Clinton luta agora para manter a força do Departamento de Estado. A Sra. Clinton está tentando nomear o jornalista, e escudeiro da família, Sidney Blumenthal para o posto de escritor de discursos.

A fórmula não está dando certo. A Casa Branca emitiu sinais negativos nesse caso.

Por outro lado, o homem que mais representou o Departamento na história dos EUA, Henry Kissinger afirmou que jamais tinha visto uma Casa Branca tão sintonizada  com o Departamento de Estado.

Desde que sofreu um acidente em que fraturou o ombro, Hillary Clinton tem se mantido mais distante da dinâmica agenda de Obama: na viagem da Rússia ela ficou nos Estados Unidos.