A Guerra na Síria e Israel

52 dias depois de um general israelense declarar que a Síria usou armas químicas contra os rebeldes, a administração de Obama chegou à mesma conclusão para justificar o envio de armamentos para o lado das “vítimas”, informa Karl Vick da revista Time.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, questionado sobre que papel seu país deverá exercer, respondeu que o envolvimento internacional não deve incluir Israel.

Por enquanto, o país acompanha com extremo interesse o desenvolvimento da tensão na Síria, monitorando a fronteira.

Mas é na área de inteligência que os dois países compartilham muitas informações. Um vídeo apresentado aos norte-americanos pelo general israelense aponta o uso do gás sarin pelo regime sírio.

O sarin é uma substância tóxica que ataca o sistema nervoso, usada em guerra química, e responsável pela morte de 12 pessoas em um ataque terrorista no metrô de Tóquio em 1995. O sarin deixou também, naquele ataque, 5 mil feridos.

Os EUA enviaram caças F-16 e mísseis para a Jordânia. Fizeram exercícios militares a cerca de 100 km da fronteira da Síria. Além disso, soldados norte-americanos e britânicos estão trabalhando juntos na região.

Há um clima de guerra no ar.

 

Uma resposta para “A Guerra na Síria e Israel

  1. Parece que agora a guerra será para valer. Os EUA perceberam que só incitar os rebeldes não vai derrubar o Assad. Precisa colocar as tropas em solo sírio.