Do Estadão: Discurso de Dilma repercute na imprensa inglesa

O discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) recebe destaque na imprensa europeia. Veículos de comunicação do continente chamam atenção para a afirmação feita por Dilma de que a espionagem viola o direito internacional e a ação sofrida pelo Brasil teria objetivos econômicos. Para o britânico “The Guardian”, o discurso de Dilma foi “furioso” e mostra que a relação entre Brasília e Washington pode ser, até agora, o maior problema gerado pelo vazamento de documentos por Edward Snowden.

A versão eletrônica do “The Guardian” na internet dá chamada na primeira página para o discurso de Dilma. Logo abaixo de uma foto do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o título diz “Rousseff condena a vigilância da NSA”. O Guardian foi o jornal que trouxe boa parte das denúncias de espionagem do governo norte-americano ao longo dos últimos meses.

Para o jornal, a presidente brasileira fez “um duro ataque” contra a espionagem dos EUA e acusou o governo norte-americano de violar a lei internacional ao realizar a “coleta indiscriminada” de informações de cidadãos brasileiros. Além disso, a reportagem diz que o discurso sinalizou que a espionagem teria como alvo “setores estratégicos” da economia brasileira. O Guardian classificou o tom do discurso de Dilma como “furioso” e um “desafio direto a Obama que aguardava ao lado para discursar em seguida”. Para o Guardian, a reação brasileira à espionagem é, até agora, a consequência mais séria desde o vazamento de informações de Snowden.

Os comentários estão desativados.