Arquivo da categoria: Imigração

EUA: Teste de cidadania é reformulado

Há dois anos preparei um amigo para o teste de cidadania. Ele tinha a lista de perguntas mais comuns, algo como, quais foram as 13 colônias que originaram os Estados Unidos, qual a data de Independência, e Independência de quem. Estudou por semanas depois do trabalho.

Foi à entrevista, e foi aprovado. Jurou a bandeira e hoje é cidadão dos Estados Unidos (e conserva a cidadania brasileira). Entra nos Estados Unidos com o “American passport”, que tem cor azul e poucas folhas e entra no Brasil com o passaporte brasileiro (ele ainda deve usar a versão verde).

A nova versão do teste de cidadania, que foi apresentada ontem,  entra em vigor em outubro de 2008, com perguntas que incluem o 11 de setembro, a contribuição dos “African-Americans” na história dos Estados Unidos, a filiação partidária do Presidente. O teste deixa de ser a decoreba que foi no passado e visa verificar o quanto o candidato conhece da estrutura democrática e como ela funciona.

Nas novas questões a Casa Branca ficou de fora, mas a Estátua da Liberdade precisa ser localizada.

A pessoa que tenha o green card por cinco anos pode se tornar cidadão, no caso de pessoas que adquiriram o green card por casamento com um cidadão dos Estados Unidos, já no terceiro ano ele se qualifica como candidato à cidadania.

Leia mais:

Dez questões do teste reformulado (teste a você mesmo)

100 questões do teste reformulado

Comparação do teste atual com o reformulado

Indocumentados terão carteira de motorista em Nova York

Cumprindo promessa de campanha, o Governador Eliot Spitzer anunciou hoje que residentes do estado de Nova York poderão obter a carteira de motorista sem informar seu estado legal nos Estados Unidos. Os candidatos não precisarão mais fornecer um número de Social Security ou mostrar que tem condições de obter um. Eles poderão usar passaportes de outros países para provar sua identidade.

Foram estas informações que circularam na redação do New York Times no final da tarde de hoje.

Juíza derrubou ameaça contra imigrantes indocumentados

No dia 13 de setembro o Departamento de Seguridade Social iria enviar 144 mil cartas para empregadores para que checassem a documentação de cerca de 8 milhões de trabalhadores, cujos números de Social Security (o CPF norte-americano) não estivessem certos (“no match letters”).

A medida teria sério impacto na economia dos Estados Unidos, e resultaria num aumento excessivo de preços ao consumidor se executada. Serviria também como uma espécie de reforma imigratória dos conservadores, pois a maioria dos indocumentados estaria desempregada no máximo em 90 dias.

A Central Única dos Trabalhadores norte-americana, entidade máxima dos trabalhadores sindicalizados, junto com a entidade defensora de direitos civis, American Civil Liberties Union, entraram com medida cautelar alegando que a decisão do Departamento de Seguridade Social causaria a dispensa de milhares de trabalhadores legais, inclusive cidadãos norte-americanos e empregados “latinos”.

Temporariamente a medida da juíza Maxine Chesney interrompe a ameaça contra os imigrantes. No dia primeiro de outubro haverá nova audiência.

A saga de dois imigrantes brasileiros no Québec

hectorcanadadireto1.jpgValéria e Patrick são imigrantes recém-chegados no Canadá. Juntos escrevem um blog, participam de programas da Rádio Canadá Internacional (RCI) e agora têm suas aventuras divulgadas em vídeos na Internet.

É ótimo material para quem deseja pesquisar sobre morar no exterior. O trabalho brilhante de Hector Vilar (foto no detalhe) na aproximação da Rádio Canadá dos ouvintes em português merece ser destacado. Lembro que a RCI tem link direto no tópico “Canadá” à direita.

Boston Globe: agentes federais e polícia local varreram Chelsea, Somerville e East Boston

O jornal Boston Globe estampou em sua capa matéria sobre a batida da imigração na região de Boston. O clima realmente estava tenso, conforme o Blog relatou ontem. O objetivo foi prender membros da gangue MS-13, formada por salvadorenhos, mas respingou na comunidade de imigrantes.

Cerca de 50 pessoas foram alvos da ação policial, que foi planejada durante semanas, e teve ainda a participação de oficiais da Agência de Imigração e Alfândega e do Escritório de Álcool, Fumo e Explosivos. As autoridades federais afirmam que a operação era específica e não visava indivíduos que não tivessem ligação com a gangue.

A operação paralizou a região e forçou que imigrantes indocumentados ficassem em casa. Em uma fábrica houve muita tensão, pois os funcionários receberam a informação de que a Imigração estava a caminho, o que acabou não acontecendo. Mesmo assim, alguns funcionários saíram para buscar seus documentos em casa.

Terça-feira tensa na comunidade brasileira em Boston

A terça-feira foi forte de boatos ainda não confirmados de batidas da Imigração na região de East Boston e Malden. Na noite de ontem, comentava-se a prisão de mais brasileiros em Framingham.

É certo, porém, que se vive dias bem mais tensos do que antes dos atentados de 11 de setembro. Em tempos de perigo, qualquer suspeita de fumaça logo vira boato de fogo, mas melhor prevenir do que remediar.

Debandada dos brasileiros é destaque na WBUR

A debandada dos brasileiros em Massachusetts já começa a ser destaque na mídia norte-americana. A WBUR, a rádio de notícias de Boston (90.9 FM), reportou este mês sobre a situação na região de Boston:

“Em meio à discussão sobre imigrantes vindo para os Estados Unidos, algo incomum está acontecendo em Massachusetts: os imigrantes brasileiros estáo quietamente fazendo as malas e indo embora.

O dólar em queda faz com que seja menos atrativo para eles trabalharem no país, e as leis rígidas de imigração estão os deixando desconfortáveis para ficar. 

As partidas já estáo tendo efeito na oferta de trabalho e em negócios em alguns bairros na cidade e nos subúrbios.”

Brasileiro morre após ser detido pela Imigração

O brasileiro Edmar Alves de Araújo morreu horas depois de ser detido pelo Serviço de Imigração dos Estados Unidos na tarde da última terça-feira (7).

Ele morava em Milford, Massachusetts (50 Km de Boston) e foi para Rhode Island para visitar sua irmã Irene. Na viagem de carro foi parado pela polícia de Woonsocket (cerca de 15 minutos de Providence), que descobriu que havia uma ordem de deportação contra o brasileiro.

Assim que foi parado pelo policial por volta das 12 horas, Edmar entrou em contato com sua irmã, pedindo que trouxesse seu remédio, Gardenal. Ele tinha epilepsia e precisava de doses diárias do remédio, conforme conta sua irmã.

No centro de detenção, por volta das 15 horas, ele passou mal e teve um ataque epilético, e os agentes da imigração discaram o número de emergência (911). Os agentes afirmam que Edmar foi levado ao hospital e veio a falecer por volta das 16 horas.

A irmã Irene Araújo afirma que tentou duas vêzes entregar o remédio aos policiais em Woonsocket, mas eles não aceitaram dizendo que “se ele quisesse o remédio, ele mesmo pediria.”

O médico legista vai determinar a causa da morte. Autoridades federais estadounidenses vão investigar o ocorrido.

Edmar Alves de Araújo é da cidade de Ipatinga, Minas Gerais, de uma família de 10 filhos. Ele pretendia voltar ao Brasil no final deste ano. Trabalhava em um posto de gasolina e pretendia se mudar para Rhode Island com a irmã e o irmão, e trabalhar como pintor. Morava há cinco anos em Milford.

“Quando meu irmão foi preso eu tinha receio de ligar para minha mãe e contar o que tinha acontecido, que ele iria ser deportado. Agora nem sei mais o que dizer para ela”, declarou Irene Araújo ontem.

edmar.jpg

Edmar e a sobrinha Adaias em foto da família. 

Estados Unidos planejam aumentar pressão sobre empregadores

De acordo com o New York Times, o governo dos Estados Unidos vai aumentar a fiscalização nos números de Social Security (O CPF norte-americano) fornecidos nos postos de trabalho após a não-aprovação da reforma da lei de imigração. Nos próximos dias deverão ser anunciadas regras que punirão o empregado que utilizar documentos falsos com demissão.

Os empregadores serão fiscalizados e punidos com maior rigor, declarou o porta-voz do Homeland Security (Segurança Nacional). Cerca de 10% dos 250 milhões de relatórios enviados anualmente ao Departamento de Seguridade Social não estão corretos e representam números falsos do Social Security ou erros no sistema de dados. 

Dólar baixo é mais um fator no retorno ao Brasil

Muitos brasileiros já estão comprando passagens de volta ao Brasil. O fracasso da lei de imigração e a queda contínua do dólar são os principais fatores que estão levando o imigrante de volta para casa.

A lei de imigração seria um fator que realmente manteria o brasileiro em terras estadounidenses, como não passou, o resultado foi um desencanto generalizado com os Estados Unidos. A economia interna também não apresenta nenhum incentivo para que o imigrante continue no país (ficam os que estão esperando a finalização de processos iniciados em 2001 e os que se adaptaram ao American way of life, o jeito de viver dos norte-americanos).

Soma-se a tudo isso a pressão maior para que o imigrante regularize sua situação ou saia do país.